Senior female doctor examining happy child, smiling.

Cuidados Pré Concepcionais para uma gravidez saudável

Preconception Care: A New Standard of Care within

Maternal Health Services

Ascenção da Doença Crônica Pediátrica

 

Além de várias desafios na área da saúde materna, o aumento considerável das doenças crónicas e de desenvolvimento na descendência  tem sido uma questão preocupante  na comunidade médica. As doenças  crônicas vem ultrapassando as doenças infecciosas agudas tornando-se  o

maior fardo de aflição pediátrica, não mostrando  sinais de mudança de direção . Além disso, é cada vez mais evidente que fatores modificáveis no pré-natal podem ser determinantes de muitos desses problemas de saúde;  uma realidade que recentemente levou a  FIGO (Federação Internacional de Obstetrícia e Ginecologia),   a  liberar uma comunicação especial clamando por uma ação conjunta  no domínio dos cuidados de saúde materno-infantil , uma vez que envolve  desordens evitáveis da infância.

 

As taxas de autismo, por exemplo, subiram acentuadamente e novas evidências sugerem que este aumento, em parte, pode ser atribuído a determinantes evitáveis  durante a gestação.

Outras perturbações do desenvolvimento neurológico como ,  dificuldades de aprendizagem

e QI prejudicada em crianças também têm sido associados em alguns casos com fatores pré-natais modificáveis . Manifestações de asma e alergias ,  algumas anomalias cromossómicas , anomalias cardíacas e  defeitos do tubo neural aberto  acrescem  essa lista de associações. Ressalte-se que a  hipospadia,  afetava  anteriormente 1/500 bebés recém-nascidos e agora

é encontrado em 1/125 crianças do sexo masculino.  Além disso, muitos casos de

câncer pediátrico  com desfecho  letal  foram recentemente  atribuídos,  em grande parte, aos determinantes pré-natal.

Pesquisas recentes, no entanto, sugerem  que o impacto dos determinantes gestacionais sobre a prole não termina com infância. Assim , adolescentes e adultos tem sido acometidos de esclerose múltipla , distúrbios alimentares e metabólicos, doenças cardiovasculares], e alguns casos de saúde óssea comprometida]. Considerando essa avaliação, é cada vez mais evidente que,  o microambiente intra-uterino pode  exercer  impacto significativo, de curto e longo prazo ,  na saúde e bem-estar  na vida  futura .

Surgem as perguntas:    Se tais fatos são verdadeiros,  será  possível modificar  tais determinantes  a fim de prevenir essa miríade de doenças ?  A autoridade pública fornecerá suporte logístico e financeiro para  executar um programa preventivo ?  A barreira do preconceito que permeia os profissionais de saúde poderá ser ultrapassada?  Estas indagações revelam que teremos um árduo caminho a percorrer para alcançar esse objetivo.

 

Uma Mudança de paradigma na compreensão  etiológica da doença.

 

Estamos à beira de mudança em nossa compreensão científica sobre a  etiologia da doença. Ao longo da história humana, cientistas e filósofos têm procurado descobrir a causa subjacente

da doença e do sofrimento . Desde o inicio da humanidade tivemos  amplas oscilações na atribuição da causa da doença .  De  Hipócrates( metafísica)  a Pasteur ( teoria dos  germes ), de Watson & Creek  ( DNA ) a Collins & Venter ( genoma ) com o recente aumento da investigação epigenética,

nas últimas duas décadas , a crença de que as pessoas com doença crónica são vítimas malfadadas de roleta genética está desaparecendo rapidamente.

 

Na avaliação,  parece que a maioria das doenças humanas está relacionada etiologicamente à deficiência de nutrientes e aos efeitos detrimentais de agentes tóxicos .  Por conseguinte,  o cuidado préconcepcional  e prénatal  é essencial para assegurar a integridade física e emocional  do feto assegurando-lhe um ambiente saudável.

.

Requisitos para uma saudável

 

A constituição da Organização Mundial da Saúde ( OMS ) definiu a saúde como um estado de completo bem estar  físico, mental e social, e não meramente a ausência de doença   ou enfermidade . Uma pesquisa recente sugere que deficiência nutricional e   bioma intestinal desequilibrado durante a gestação , comprometem condições ideais de

desenvolvimento intra-uterino  contribuindo para a ocorrência de morbidades imediatas ou tardias que poderão afetar a vida subsequente do individuo.

Alguns profissionais de saúde acreditam que a insuficiência de nutrientes é apenas um problema alusivo a  populações  de indigentes e desfavorecidos. Muitos sentem que as mulheres no mundo desenvolvido, que comem regularmente, estão recebendo tudo o que precisam para si e sua criança em  desenvolvimento;  no entanto, isso pode não ser  verdade. É notório que

deficiências nutricionais na gravidez podem  ter efeitos dramáticos sobre a incidência de doença  na  sua prole.  A deficiência de folato é talvez o exemplo mais conhecido dos riscos de defeitos do tubo neural , aborto e síndrome de Down.  No entanto, outras deficiências de micronutrientes recentemente vieram à tona:

(a) deficiência de ferro gestacional,  associada  a comprometimento cognitivo e imunológico na prole  (b) deficiência de iodo materno  pode levar a hipotireoidismo causando  deficiência intelectual na criança.  Com o reconhecimento dessas deficiências nutricionais ,  foram realizados  esforços para apoiar a suplementação de alimentos, aminoácidos, vitaminas  e minerais.

Mesmo ingerindo alimentação saudável, existem várias deficiências de micronutrientes

de importância crítica que muitas vezes são esquecidos na atenção às mulheres grávidas. Vamos mencionar brevemente três deficiências mais comuns de micronutrientes:

Vitamina D.  Há consenso geral na literatura que o nível de vitamina D de muitos indivíduos e grupos populacionais em grande parte do mundo   é insuficiente para uma saúde  adequada. Evidências recentes sugerem que este nutriente essencial está envolvido na regulação e expressão de mais de 2700 genes diferentes.   Existe reconhecimento de que a insuficiência de vitamina D pode estar  associada com aborto de  primeiro trimestre, diabetes gestacional, pré-eclâmpsia , parto prematuro, taxas mais elevadas de cesárea, rescem nascido pequeno para a idade gestacional e  depressão pós-parto .

 

  Magnésio.  Comumente deficiente em grande parte da população em geral. Este importante nutriente é cofator em mais de 300 reações enzimáticas necessárias para a função adequada de proteínas, mitocôndrias, e ác. nuclêico.  Contudo, estima-se que cerca de metade dos norteamericanos  adultos não ingerem  a exigência média diária de magnésio. Além disso, é difícil diagnosticar a deficiência  de magnésio  , em decorrência da dificuldade de avaliar os níveis totais do corpo,  dada a sua natureza, ( principalmente intracelular e intra-óssea) .

As sequelas  do consumo insuficiente  de  magnésio na população em geral são numerosas, incluindo:  asma,  doenças cardiovasculares , transtorno da saúde mental, distúrbio da saúde óssea ,

oncogênese, prematuridade, baixo peso .etc. Há evidência de que hipomagnesemia  fetal pode estar associada com síndrome metabólica mais tarde na vida . Ainda assim, o consenso é de que não há

recomendação para  a suplementação rotineira de magnésio durante a  gravidez .

 

Ácido docosahexaenóico (DHA) :   é um ácido graxo essencial ômega-3 encontrado mais abundantemente em frutos do mar. Como a conversão para DHA de outros ácidos graxos é variável e depende da disponibilidade enzimática bem como dos mecanismos funcionais  de conversão metabolica,  a melhor fonte de DHA é a ingestão direta de  frutos do mar. Com o aumento da consciência da contaminação ambiental  por tóxicos variados,  incluindo mercúrio, tem sido recomendado às  mulheres evitar o consumo de peixe e outros produtos marinhos durante a gestação , em decorrência da associação  a inúmeros resultados deletérios de saúde para  mãe e filho.  A deficiência de DHA tem sido associada a prematuridade , pré-eclampsia   e depressão pós-parto.  Além disso crianças nascidas de mulheres com insuficiência de DHA podem estar condicionadas a  um risco aumentado de perturbações do sistema nervoso central, padrões de sono de má qualidade ,  QI mais baixo, e oscilação da pressão arterial na vida adulta.  A educação de profissionais de saúde,  enfatizando  a necessidade e benefícios do DHA na dieta,  pode reduzir significativamente  o risco de resultados de saúde adversos materno e fetal associados a sua insuficiência.

 

Bioma saudável.  Estima-se que o intestino , ao longo de 6 a 8 metros de extensão , contenha na sua luz um quatrilhão de microorganismos . Isso representa 10 vêzes o número de células que compõem o corpo humano . O  bioma  é um ecossistema de organismos vivos  que no estado de saúde encontrá-se em equilíbrio . Foram identificadas mais de 900 genótipos capazes de expressar uma série de proteínas que atuam no nosso metabolismo.  No entanto , tal relevância não encontra ainda o reconhecimento da comunidade médica sobre a sua real importância.

Tradicionalmente considerava-se, até pouco tempo , que o ambiente uterino fosse  estéril; no entanto,  esta idéia está sendo desafiadamediante estudos mais recentes sobre placenta, mecônio, e o recém-nascido . O que é certo, contudo,  é que  a flora vaginal do canal de parto é determinante importante  dos resultados gestacionais e pediátricos.  Disbiose, um ecossistema germe desordenada, pode colocar um mulher grávida, por exemplo, um risco acrescido de parto prematuro

de trabalho [82].  A vaginose bacteriana é uma manifestação de um

alterada bioma vaginal, onde existe uma redução dramática no

lactobacilos e aumento anaeróbios, uma constatação que foi

associação com início precoce do trabalho [141-143].

Enquanto nós continuamos a learnmore sobre o importante

papel do bioma materna e fetal, parece benéfica

para educar as mulheres sobre a necessidade de evitar intervenções ou

exposições, sempre que possível, que pode ser prejudicial para a sua

e ecossistema germe de seu filho.

Google Tradutor para empresas:Google Toolkit de tradução para appsTradutor de sitesGlobal Market Finder

 

. Quais devem ser evitados para uma saudável

Gravidez e infantil

É amplamente reconhecido que a exposição materna à adverso

produtos químicos na fumaça do cigarro, medicamentos teratogênicos, ou

drogas ilícitas durante a gravidez pode ter consequências adversas

para os resultados gestacionais e desenvolvimento do feto. segundo

para theAmericanAcademy de Pediatria, a exposição materna à

qualquer quantidade de álcool é agora considerado inseguro em toda

gravidez por causa do potencial sério e duradouro

impacto que este produto químico pode ter em uma criança em desenvolvimento

[54]. Em cada uma destas situações, tem sido apreciado que

a exposição fetal a substâncias potencialmente tóxicas pode ser um determinante

de sequelas adversas crônica. No último meio século,

No entanto, tem havido uma intensificação dramática de efeitos adversos

exposições gestacionais, como resultado de (i) a revolução química,

com a introdução e liberação de dezenas de milhares de

produtos químicos antropogénicos não testados para o impacto na saúde humana

saúde, e (ii) a revolução eléctrica de expansão, com a

perto a exposição ubíquo à radiação eletromagnética de

dispositivos de comunicação sem fios, linhas de energia, e uma miríade

outras fontes. Nesta seção, vamos explorar algumas das

evidência de exposições gestacionais emergente destes dois

fontes.

 

  1. Aplicação Prática dos Cuidados Preconception

A comunidade médica tem feito grandes esforços para desenvolver

e fornecer assistência pré-natal ao longo das últimas décadas, resultando

em um declínio significativo no número de mulheres que fazem

não receber cuidados de saúde gestacional, e com total melhorou

os resultados para populações de risco [313, 314]. Neste ponto

na história, no entanto, um jornal líder saúde materna tem

declarou que a próxima “fronteira saúde materna e infantil

da prevenção “reside no preconceito cuidados (PCC) [315]. Além disso,

March of Dimes, um advogado internacional para

saúde materna e infantil, concorda que os prestadores de cuidados de saúde primários

deve tomar todas as oportunidades para fornecer este tipo de

cuidar de mulheres em idade reprodutiva na “o momento em que ele realmente

pode fazer a diferença “[316].

Em estudo recente a respeito de porque os provedores de saúde falharam

para fornecer informações completas sobre exposições tóxicas

na gravidez, apesar de abundante informação na científica

literatura, alguns inquiridos afirmaram que estavam preocupados com

infligir estresse sobre as mulheres grávidas [317]. Embora este seja

uma preocupação legítima na situação imediata, a longtermsequelae

de não fornecer instruções crucial, a fim

para excluir os resultados gestacionais adversos têm o potencial

para induzir estresse muito mais duradouro e dificuldade para todos

envolvidos. É importante estar ciente de que ao invés de tomar

uma abordagem negativa e indutores de medo com os pacientes, é

preferível e mais eficaz dos autores ‘considerável

experiência nesta área para educar os pacientes sobre como “criativamente

envolver “com as realidades do mundo moderno em

suas circunstâncias particulares. Ao invés de platitudes gerais

sobre a dieta e evitar a exposição, os pacientes individuais e

casais precisam aprender a satisfazer as suas necessidades específicas.

Por conseguinte, tem havido cada vez mais apelo a

uma abordagem multifacetada para PCC (preconceito cuidados) [14,

315]: (i) educação pública; (Ii) a regulamentação do governo de

liberação de substâncias tóxicas no meio ambiente; (Iii) prestação de

instrução grupo alvo; e (iv) a prestação de personalizado

serviços para atender às exigências específicas. Em algum sentido,

todas as mulheres em idade reprodutiva são potencialmente preconceptive,

e healthmeasures públicas para educar themabout gestacional

requisitos, bem como exposições e evitar poderia fazer

uma diferença substancial nos resultados. Embora pública e

serviços sociais e regulamentação do governo estão além do

escopo deste artigo, a consideração de serviços de saúde

serão discutidos os provedores de saúde maternidade.

 

  1. Conclusão

Parece agora que, embora os riscos de gestação para a mãe

têm diminuído consideravelmente nos últimos anos muitos, perigos

para o feto parece estar a crescer. Além disso, ao aumentar

atenção tem sido dedicada ao longo da última década para triagem

técnicas a fim de identificar anormalidades fetais e para

oferecem a opção de interrupção da gravidez, há pouca

reconhecimento de que muitos problemas de saúde obstétricas e fetais

pode ser totalmente excluída se as devidas precauções é tomada.

A modificação de tais determinantes tem o potencial de

prevenir o desenvolvimento de problemas maternos ou fetais e

Também para evitar a difícil escolha de dissolução gravidez.

Além disso, o crescente leque de medidas de rastreio fetais

é incapaz de predeterminar a esmagadora maioria

aflições pediátricos dos comuns, como o autismo, alérgica

doença, câncer pediátrico e dificuldade de aprendizagem. O recente

percepção de que muitas dessas condições estão frequentemente relacionadas com

determinantes modificáveis gestacional [15, 31, 76, 134, 185] e

pode ser evitado em muitos casos, por preconceito informado

e escolhas de gestação exige uma resposta oficial do

comunidade médica. Então, o que pode ser feito?

A advertência de Nelson Mandela que “a educação é o mais

arma poderosa que você pode usar para mudar o mundo “

é particularmente pertinente no que diz respeito aos cuidados de preconceito.

A comunicação especial pela FIGO na recente científica

montagem recomendou que a saúde ambiental

torna-se uma parte fundamental dos cuidados de saúde [14] e concluiu

que “com base em evidências acumuladas robusta

das exposições e impactos adversos para a saúde relacionados com a tóxica

substâncias químicas ambientais, a Federação Internacional de

Ginecologia andObstetrics (FIGO) junta-se outra reprodutiva líder

sociedades profissionais de saúde nos chamando para oportuna

medidas para evitar danos “[14

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *